Capelinha

No passado, a Capelinha foi pouso das tropas que vinham do Sul de Minas Gerais para Resende trazendo suas mercadorias para vender na cidade. A história da Cepelinha do Pirapitinga se confunde com a trajetória de um verdadeiro clã, constituído pelas famílias Menandro, Lopes Salgado e Whately. Elias Birbeire conta em seu livro “Capelinha de todos os tempos”, de 1992, que seus avós vieram da região de Conservatória e chegaram na Capelinha por volta de 1887, um pouco antes da instalação da primeira tentativa de colonização do vale do Rio Preto – iniciada em 1889 e que, no final de 1890, foi dada como fracassada. Segundo Elias, os seus antepassados “escolheram a Capelinha por considerarem o local um ponto estratégico: a última etapa do caminho em direção a Mauá, antes da subida da serra”. Até hoje existe uma placa que diz “Capelinha – parada quase obrigatória”.

Entre 1908 e 1916, houve uma segunda tentativa de colonização no Rio Preto, com a criação do Núcleo Colonial Visconde de Mauá e a vinda de imigrantes alemães e suíços para trabalharem na produção de alimentos. Nesta época, a Capelinha alcançou um grande desenvolvimento, porém, com o fracasso da empreitada no alto da serra e suspensão de todo o apoio oficial, os imigrantes, que insistiram em permanecer no local, dedicaram-se ao turismo. Hoje, a localidade de Capelinha é de fato um ponto obrigatório de passagem para quem vai para a região de Visconde de Mauá. Situada a 20 km do centro urbano de Resende, é uma área típica de pecuária leiteira, com a peculiaridade de ser muito frequentada por ciclistas e praticantes de vôo livre, especialmente os pilotos de parapente, que organizam a tradicional Copa ZOAR.

Distâncias da Capelinha: Serrinha (Resende – RJ) – 6 km; Penedo (Itatiaia – RJ) – 11 km; Vargem Grande (Resende – RJ) – 13 km; Visconde de Mauá (Resende – RJ) – 16 km; Centro Urbano (Resende – RJ) – 20 km.

Fonte: Prefeitura Municipal de Resende

ATRATIVOS TURÍSTICOS DA CAPELINHA

IGREJA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA

capelinha01

Em 1876, era entregue ao culto público, a Capela de Nossa Senhora da Conceição Aparecida do Pirapitinga, na base da serra. O Padre Serpa, foi quem batizou a Capela. Em 1914, houve uma festa para inaugurar uma igreja maior. Em 1938, houve uma nova reforma. Na época, o Padre José Sandrup é quem realizava as missas. Por volta de 1950 é que a igreja ficou de forma que está nos dias de hoje.

Anúncios